Pare de querer sempre receber (não é um texto sobre o dia da Mulher, mas também é)

Diz um dos textos clássicos da Kabbalah que você só se torna divino quando supera a necessidade de receber, para viver, concretamente, a vontade de doar. Mas não um doar egóico, que doa pra receber o agradecimento, o reconhecimento ou ocupar um lugar de poder indireto e diferenciado: um doar totalmente desprendido.

Um doar totalmente desconhecido do ser humano comum.

No caso, eu e você.

Quando lemos algo assim, temos logo a reação de pensar que isso não é pra gente como nós, OU, o que também é muito comum, ter aquele pensamento imediato de JÁ ATINGI ESSE PONTO PORQUE EU SOU MARAVILHOSA MESMO E ESTOU TODA TRABALHADA NA DOAÇÃO.

Porque todo mundo só reconhece o bem em si. Faz parte da construção social e tá tudo bem também.

A má notícia é que ambos os pensamentos estão um pouquinho equivocados, inadequados e não condizem com a realidade, pra dizer o mínimo. Quer ver?

Teste rápido:

  1. Quando você procura um emprego, o que busca numa empresa? Em 15 anos de RH, uma das coisas que eu mais ouço é OPORTUNIDADE DE APRENDER;
  2. Quando você imagina a liderança ideal, o que vem à sua mente? Eu também sei: uma liderança inspiradora, QUE POSSA ME ENSINAR E ME ORIENTAR;
  3. E o que você valoriza em um time? Olha aí de novo, certeza que um dos itens é O QUANTO ESSE TIME ME AGREGA E ME FAZ CRESCER.

Nós somos criados para buscar o que nos aumenta. Livros, cursos, pessoas, lugares. Ditados famosos como “esteja rodeado de pessoas melhores que você” e estratégia de grandes empresas que pregam “só contrate quem é melhor que você”, com todo o respeito, nos fazem ter uma postura parasita que me incomoda muito – no entanto, reconheço o exercício de humildade, também tão importante em dias de protagonismo como palavra da moda.

O problema é que, com esse comportamento, se o ambiente não “agrega valor” (olhos revirando neste momento), a reação é de frustração e, naturalmente, inicia-se a busca por outro lugar. Por outras pessoas. Tudo torna-se descartável.

O ponto é: você também é o lugar de crescimento de alguém.

Você também deveria se perguntar se está fazendo o melhor para fazer essa outra pessoa crescer. Você está agregando valor? A quem? Para quê?

Ao perceber-se num ambiente tóxico, antes de reclamar e correr pra fora dele, pergunte-se:

  1. Por que eu vim parar aqui?
  2. Devo aprender algo?
  3. O que posso ensinar?

Protagonismo, no fundo, é isso. Pode não ser tão desapegado do ego como a Kabbalah descreve, mas, ei, o caminho também é rico, não só o destino.

E doar é um atributo feminino. Nunca se esqueça disso em tempos insalubres.

Feliz dia da Mulher ❤

Ana Gomes é Head de RH para a América do Sul na Solera e sustenta iniciativas de diálogo com líderes e mulheres de uma forma geral. Mais em http://www.antigonna.com.br

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s