Você está realmente seguro nessa carteira assinada?

Porque provocar nunca é demais. Em tempos de retração econômica, emprego CLT nem sempre representa segurança. Empreender pode ser um bom caminho. Você mora de aluguel. Há anos. É um inquilino bom, nunca deu problema. Conhece o bairro, as pessoas, o caminho. A escola das crianças,  o metrô, tudo organizado pra deixar a rotina mais fácil e produtiva. Aí, de repente, o proprietário liga. Vai … Continue a ler Você está realmente seguro nessa carteira assinada?

Medir para crescer e recompensar

Em tempos de crise, medir os detalhes é vital pra continuar crescendo – ou, pelo menos, para não regredir. E você pode (e deve) recompensar pelos ganhos de produtividade. Produtividade tem jeito, tem receita, dá pra fazer. Mas não adianta fazer e ficar sem saber o resultado. O ato de medir, também para a produtividade, será crucial para validar suas ações. A experiência de Taylor … Continue a ler Medir para crescer e recompensar

Cinco passos para conquistar a atenção da sua equipe

Ser produtivo não é apertar um botão ou só treinar um processo. É comportamento, vontade, autocontrole – muito autocontrole. O Facebook, o Whatsapp, o amigo do lado, a TV, a moça que passou na rua, a fofoca do fim de semana, o tempo que não passa. Quer dizer, passa, mas você gostaria de estar fazendo outra coisa – e não aprisionado, trabalhando essas seis, oito, … Continue a ler Cinco passos para conquistar a atenção da sua equipe

Tem receita de bolo pra produtividade? Tem, sim senhor!

Como fazer sua equipe ser mais produtiva sem reinventar a roda – inovar fica pra depois do arroz-com-feijão, como tudo na vida Picasso só conseguiu criar um novo momento artístico porque dominava (como poucos) as técnicas da pintura clássica. A Toyota e Honda ocupam-se não de lançar carros novos a cada ano, mas de aperfeiçoar os já existentes e, assim, chegar à excelência –não por … Continue a ler Tem receita de bolo pra produtividade? Tem, sim senhor!

Todos são iguais perante a lei. Mas…

Como o respeito às diferenças boas e ruins pode ser determinante para a percepção de justiça dos funcionários. Todo mundo já passou por algo parecido: mesmo sendo um bom pagador, com todas as prestações em dia, basta acontecer um problema para que o credor não tenha dó – e tome juros, nome sujo, ligações de cobrança, um transtorno sem fim. É a mesma punição aplicada … Continue a ler Todos são iguais perante a lei. Mas…

Estender a mão é a melhor ferramenta de retenção

Compreender as relações de trabalho como uma troca baseada principalmente nas emoções faz toda a diferença quando se trata de conquistar a lealdade dos profissionais. Pense em um amigo. Aquele com quem você pode contar. Para buscar no aeroporto, pedir um conselho ou uma orientação. Aquele que fica contigo quando alguém querido vem a falecer e sempre pergunta se você está precisando de algo. Aquele que te … Continue a ler Estender a mão é a melhor ferramenta de retenção

Você vai ver que fazer RH é mais fácil do que parece

Um ano, dezoito meses, não importa o tempo: invariavelmente o seu quadro de funcionários vai ser renovado em algum momento. Você juntou dinheiro, tomou coragem e abriu seu negócio. Financeiro, licença, contador, maquinário, plano de negócios, tudo pronto. Contratou alguns funcionários: indicação, sites de currículos, documentos pro contador. Realmente tudo pronto. Abriu as portas. No sentido literal ou figurado. Estreou. Dois meses depois, a primeira … Continue a ler Você vai ver que fazer RH é mais fácil do que parece

A Black-Friday e eu

Revisitando comportamentos automáticos. Hoje só se fala nisso. A versão brasileira existe desde 2010, mas, pelo menos na minha percepção, foi forte mesmo em 2012. Propaganda na TV, internet bombando, pessoas esperando a meia-noite, críticas, reclamações, euforia. Carro, joelheira, tratamento de canal, um grande Peixe Urbano durante 24h, mas sem a possibilidade de reclamar no Procon amanhã. Aí eu olhei pra mim e fiquei me … Continue a ler A Black-Friday e eu

É tudo tão simples mesmo, Danuza

Dialogando com páginas e com a história dos outros. No último ano-novo, no qual comemoramos o óbito de um 2011 maldito (sim, isso mesmo), eu e minha comadre-irmã trocamos presentes representativos para os nossos momentos de vida, e, considerando o fato de que somos loucas por livros, lá estávamos nós a rabiscar dedicatórias que deveriam ser enquadradas para pendurar nas paredes de nossas casas (todas, … Continue a ler É tudo tão simples mesmo, Danuza